fbpx
Written by Bem Viver Odonto

Tudo sobre implante e prótese

Como é feito o implante?

A maioria dos implantes são produzidos com titânio puro, no entanto, este metal leve está disponível em quatro classes. A classificação em classes depende da quantidade de carbono e ferro disponível na sua composição.

A superfície do implante é tratada e modificada através de técnicas como jato de areia, anodização (banho eletrolítico), pulverização de plasma com o objetivo de aumentar a osseointegração.

Como se fixam?

São realizados orifícios que receberão os pinos dos implantes. Após a colocação dos pinos a um tempo para que o osso se envolva no implante (ossointegração) e que haja fixação dos mesmos.

Implantes podem ser retirados?

Sim, se houver necessidade desta retirada. Por exemplo, uma não osseointegração.

Será que pode existir rejeição para o implante?

Não há rejeição, o que acontece é que não ocorre a formação adequada de osso nas rugosidades do implante dentário. Isto pode acontecer pode diversos motivos, como: qualidade óssea, quantidade óssea em altura ou espessura, causa sistêmicas.

Será que eu posso fazer a cirurgia de implante?

Para ser um bom candidato para um implante é necessário que a gengiva esteja saudável e que o osso esteja adequado para recebê-lo. Além disso, deve-se manter a higiene bucal constantemente e fazer visitas regulares ao dentista para o sucesso dos seus implantes.

Em que momento do tratamento se pode fazer o implante odontológico?

Em qualquer reabilitação oral, deve-se inicialmente eliminar todo e qualquer foco infeccioso da boca, para que o paciente não corra o risco de desenvolver uma doença sistêmica. Após a análise clínica e radiográfica (rx panorâmico e tomografia computadorizada) e moldagens de estudo, procede-se ao planejamento do tratamento que definirá o momento oportuno para a implante dentário, bem como os tratamentos das demais especialidades.

O que são as próteses dentária?

Próteses Totais Fixas: Têm como função a reposição de todos os dentes perdidos de um ou dos dois arcos dentários, através da colocação cirúrgica de quatro ou mais implantes para retenção e fixação da prótese.

Próteses Totais Removíveis: Utilizada em casos onde não é possível a colocação de muitos implantes para a realização de um protocolo, por motivo de falta de estrutura óssea, onde não há a possibilidade de utilização de enxertos. Mas, como é possível a colocação de implantes em apenas algumas regiões, estes podem ser aproveitados para retenção de uma prótese total através de encaixes ou clipes de retenção.

Próteses Parciais Sobre Implantes: Em casos de perdas parciais de um ou mais dentes, onde ainda existam remanescentes dentários, podem ser utilizadas próteses unitárias ou parciais fixas sobre implantes, substituindo com eficácia cada dente perdido e restabelecendo as funções mastigatórias do paciente.

É difícil a limpeza? Causa mau hálito?

As próteses fixas unitárias, quando bem desenhadas e bem adaptadas marginalmente, comportam-se como dentes naturais na sua limpeza e exigem do paciente os mesmos cuidados, isto é, boa escovação na técnica e no tempo corretos, complementada pelo uso do fio ou fita interdental. Os portadores de pontes fixas necessitam de dispositivos especiais: passadores de fio dental, ou fios com a ponta endurecida, para a limpeza dos espaços protéticos. 0 mau desenho de uma prótese fixa, a má adaptação, o mau tratamento dado a materiais e a limpeza insuficiente podem permitir a retenção de detritos alimentares e bactérias, causando inflamação gengival e mau hálito.

Demora para ser executada ?

Sim, demora. Um bom dentista não consegue fazer uma incrustação metálico-fundida, que é a prótese fixa mais simples, em uma única sessão, pois ela exigirá, no mínimo, de 3 a 4 sessões clínicas de 1 hora, e mais 3 sessões laboratoriais.

0 resultado estético é bom?

Sim, no geral é bom. Mas há casos de grande perda óssea que dificultam a obtenção de uma estética excelente. Nesses casos, o tratamento tem como primeiro objetivo restabelecer a função da mastigação; como segundo, a durabilidade e, em terceiro lugar, a estética.

Coroas

O que é coroa?

É o nome que se dá a uma prótese que visa substituir a coroa de um dente natural que foi prejudicada em sua estrutura e em sua beleza.

É necessário afinar (desgastar) o dente para confeccionar uma coroa?

Sim. Somente dessa maneira se obtém espaço suficiente para a confecção de uma coroa semelhante à forma e ao tamanho de um dente natural.

Quais os tipos de materiais utilizados?

Resina acrílica e porcelanas. Para dar maior resistência, pode-se utilizar estruturas internas de metal (ligas de ouro ou ligas alternativas).

Qual a diferença entre resina e porcelana?

A resina é um material de manuseio mais simples que a porcelana. Apresenta um maior desgaste e, com o tempo, a alteração da cor também é maior. A porcelana apresenta maior dureza e estabilidade de cor e supre melhor o quesito estético.

Há riscos de fraturas?

A coroa artificial, quando bem executada, corre os mesmos riscos que os dos dentes naturais, estando exposta aos mesmos acidentes. Os cuidados devem ser iguais aos tomados com os dentes naturais.

É necessário tratar o canal de um dente que irá receber uma coroa?

Sempre que possível, deve-se evitar o tratamento de canal. Isso, em algumas situações, é necessário para que, dentro do canal tratado, seja instalado um pino metálico, a fim de aumentar a resistência do dente e para reter a coroa artificial.

Enquanto a prótese é confeccionada no laboratório, o que se usa sobre o dente desgastado?

Coroas provisórias de acrílico, que são executadas imediatamente e colocadas sobre o dente desgastado, suprindo as necessidades estéticas e funcionais. Essa coroa, depois, será removida e substituída pela chamada “definitiva”.

Como a coroa é fixada ao dente?

O próprio encaixe sobre o dente desgastado já é uma forma de retenção, que será melhorada com agentes cimentantes específicos que, além de aumentarem a retenção, irão promover o vedamento.

Qual o motivo do escurecimento próximo à gengiva?

Muitas vezes, esse escurecimento é causado pela transparência dos tecidos gengivais que, por serem finos, mostram a sombra de uma raiz escurecida. Outras vezes, é a cinta de metal que, por falha técnica, ficou visível, ou ainda porque houve um afastamento gengival expondo a área da emenda entre a coroa artificial e o dente.

Quanto tempo dura uma coroa?

A durabilidade dependerá, por parte do profissional, da acertada indicação, execução e escolha do material e, principalmente, por parte do paciente, através dos cuidados com a higienização e a utilização dessa prótese dentária. Não existem prazos definidos de longevidade, por esta depender de inúmeros fatores.

Deixe uma resposta

Your email address will not be published. Required fields are marked *